Raças e culturas: Trollóides

Trolóide1

Fonte: No Quarter #56 – Por Matt Goetz e Douglas Seacat – Tradução: Andre Nunez

 Os costumes dos krielsTrolóide2

Desde antes da ascensão da civilização, humana – e talvez até mesmo antes da criação da própria humanidade – os resilientes e obstinados trollóides tem habitado os lugares selvagens de Immoren ocidental. Eles são uma raça complexa, divididos em dois estilos de vida: vivendo nos ermos, seguindo seus velhos costumes e tradições, ou vivendo nas cidades da humanidade como cidadãos dos Reinos de Ferro.
Os trollóides sempre ajudaram a moldar a história de Immoren ocidental desde os primeiros dias da civilização. Eles eram contados entre os guerreiros dos Molgur nos ermos além das primeiras cidades da humanidade, atacando os exércitos dos reis-sacerdotes com fervor. Eles juntaram suas forças aos esforços para expulsar os Orgoth, e um trollóide até mesmo fez parte do Conselho dos Dez que assinou os Tratados de Corvis e criaram os Reinos de Ferro. Revoltas trollóides mudaram o curso do desenvolvimento militar, forçando a humanidade a reconsiderar os designs de seus colossais massivos e substituí-los pelos gigantes de guerra menores.
Apesar dos trollóides serem uma visão relativamente comum nas cidades e vilas dos Reinos de Ferro, sua população na verdade é reduzida na maioria dos centros urbanos. Mesmo em cidades com uma comunidade trollóide ativa, kriels urbanos compõem apenas uma minoria da população. Com frequência os trollóides de uma determinada cidade são de famílias isoladas ou indivíduos que descendem daqueles que deixaram as áreas selvagens para desfrutarem de um tipo diferente de vida. Mesmo aqueles trollóides com afinidade com a vida urbana raramente mostram interesse em alquimia, engenharia ou outras habilidades técnicas. Alguns poucos dignos de nota adquirem uma reputação como ferreiros ou pedreiros habilidosos, mas a maioria conta com sua força física e vigor para obter empregos de baixa qualificação. Trollóides urbanos são bem sucedidos predominantemente em trabalho manual, onde suas forças prodigiosas e resistência são úteis, trabalhando em portos, como carregadores, na construção civil ou como guarda-costas ou trabalho mercenário similar.
Trollóides são indivíduos profundamente religiosos, indiscutivelmente a mais espiritual de todos os povos Dhunianos. Mesmo nas cidades, xamãs trollóides anciãos lideram seu povo no culto à Dhunia. Santuários dedicados a ela podem ser encontrados em quaisquer lugares em que trollóides residam, desde pequenos e simples santuários nas esquinas cercados de humildes sacrifícios de comida e bebida até grandes pedras esculpidas as quais os trollóides regularmente se reúnem. Tais monumentos são tolerados em cidades predominantemente Morrowanas em Cygnar e Ord – apesar de que alguns moradores podem reclamar deles. Trollóides aprenderam a não erguer santuários óbvios em áreas dominadas pela fé Menita, onde tais iconografias atraem atenção xenofóbica. Isso é mais recorrente em regiões de Khador; nestas áreas, os rituais Dhunianos podem ser confundidos pelos ignorantes como veneração à Serpente.
A raça trollóide tem laços fortes com sua história, reforçada pelos contos ancestrais gravados em pedra e em pergaminhos, ou passado via oral de uma geração para a próxima. As velhas histórias contam de heróis de séculos atrás e da glória e queda de chefes e campeões que viveram e morreram centenas de anos antes dos primeiros assentamentos humanos serem construídos. Este legado histórico cria laços entre os membros de uma comunidade trollóide e combinados com as histórias de outras comunidades, tecem conexões entre trollóides por toda Immoren ocidental. Contadores de histórias conhecidos como cronistas são uma parte respeitada das comunidades trollóides, frequentemente viajando entre grupos para recontar histórias de heroísmo antigo e versões estilizadas de eventos correntes.
Mesmo no mundo moderno, trollóides mantém laços tribais similares aos seus irmãos vivendo nas áreas selvagens. Trollóides são membros de famílias coesas chamadas de kith, e múltiplos kiths juntos formam um kriel, que é similar a um clã ou tribo. O kriel e a divisão mais importante da sociedade trollóide, apesar de que esta distinção seja mais importante para aqueles vivendo nas áreas selvagens do que nas cidades. Existem mais de duzentos kriels de tamanhos variados por todo Immoren ocidental, dos enormes kriels florestais do norte de Cygnar aos relativamente pequenos kriels urbanos. Entre as menores comunidades trollóides onde não há kriels, kiths têm importância maior. Membros do mesmo kriel podem ser facilmente identificados pelos padrões compartilhados de quitari dos serranos (tartans) tradicionais que eles vestem Trollóides referem aos membros de sua raça como parentes (kin) para representar seu povo inteiro, e existe um senso de parentesco entre até mesmo os mais distantes kriels, apesar de que eles possam competir uns com os outros.
Existe também um subconjunto de trollóides conhecidos como shenkriel, Shen é um termo usado para se referir a jovens trollóides que são encorajados a deixar o kith na esperança de eventualmente encontrar um par. Este período de liberdade e exploração longe do kith e kriel é um importante período de transição para estes trollóides, quando eles precisam encontrar seu lugar no mundo. Apesar de que as atitudes variam, muitos shens tem temperamento curto e são inclinados a arrumar briga no intuito de testar seus limites e criar vínculos com seus pares.
É comum que shens se unam para proteção mútua, escolhendo o mais forte entre eles como líder. Nas cidades, trollóides que se juntaram desta maneira são muito similares a gangues de criminosos e frequentemente são tratados como tais. Trollóides shenkriel podem ser encontrados na maioria das cidades com comunidades trollóides, lutando para manter controle de seu território e vendendo seus serviços como guerreiros. Trollóides dos kriels frequentemente sentem pena das condições dos shenkriel: o nome significa “perdido e sem povo”, uma trágica vida para uma raça definida pelos seus laços familiares.

Trollóides nos Reinos de Ferro

Trollóides são encontrados por todos os Reinos de Ferro, com a maioria vivendo nas áreas selvagens e uma pequena minoria residindo nas cidades e vilas. Como aquelas direcionadas a várias outras raças não humanas vivendo nas cidades humanas, opiniões e atitudes sobre os trollóides variam enormemente entre cidades e regiões. O tamanho e força imponentes dos trollóides, combinado com sua característica atitude carrancuda, faz com que alguns a reagir aos trollóides com medo, mas quando dada a oportunidade, os trollóides se provam como um raça de indivíduos complexos e de pensamento profundo, tão variados em personalidade como qualquer raça. Quando a oportunidade de trabalho legítimo é negada aos trollóides, entretanto, é verdade que alguns se tornem para a vida de crime e violência. A combinação de maestria em lutar e robustez física sem paralelos permite a eles se sobressair como guarda-costas e guerreiros entre várias gangues urbanas. Esta mesma propensão pode também se tornar trabalho honesto como soldados para companhias mercenárias, trabalhando como leões-de-chácara em tavernas, ou se juntando à patrulha da cidade.
Mesmo quando empregados de acordo com a lei, trollóides tendem a ser tratados como cidadãos de segunda classe. Trollóides podem esperar receber um salário consistentemente menor do que um humano pelo mesmo trabalho e ser preterido em promoções. Suas oportunidades de trabalho estão limitadas a um estreito campo de possibilidades, com raras exceções. Comunidades trollóides são frequentemente construídas em partes menos acolhedoras da cidade, isoladas atrás de fileiras de firmas industriais e centros de manufatura. Trollóides frequentemente sofrem preconceito diário, o que os deixa mais amargos e pode ser usado como justificativa para um estilo de vida criminoso. Ainda assim, existem muitos mais que estoicamente suportam inúmeros desrespeitos a fim de contribuírem com suas comunidades.

Cygnar

Dos Reinos de Ferro, Cygnar é o que mais aceita sua população trollóide urbana, apesar de hostilidades históricas e recentes com os kriels selvagens. Trollóides vivendo nas cidades de Cygnar podem esperar serem tão bem tratados normalmente como quaisquer não humanos. Há oportunidades de emprego relativamente abundantes, e a habilidade dos trollóides em trabalhar por longas e laboriosas horas nas docas e nas fábricas assegura que sempre haverá trabalho para eles entre os trabalhadores da nação. Além disso, trollóides alcançaram posições de liderança em diversos campos. A União dos Trabalhadores do Ferro e Vapor em particular possui uma considerável força de trabalho trollóide. Eles são particularmente bem representados entre os Mãos de Ferro (Ironhands), a companhia mercenária dedicada empregada pelos Vaporeiros (Steamos).
Muitas das maiores populações de trollóides habita dentro das fronteiras de Cygnar. Eles vivem em kriels selvagens nas montanhas, pântanos e florestas da nação, e a maioria das grandes cidades abriga uma significativa população urbana. Por exemplo, a cidade meridional de Mercir possui uma população grande o suficiente para abrigar múltiplos kriels ocupando uma vizinhança predominantemente trollóide.
A relação de Cygnar com seus trollóides é complexa, colorida por uma longa e complicada história. Muitos cygnaranos são receptivos aos trollóides, mas há ainda uma corrente de intolerância, particularmente na esteira de conflitos recentes com os Kriels Unidos no Vale Crael e a insurreição dos Emaranhados (Gnarls). A maioria dos cygnaranos conhece a diferença entre trollóides urbanos e dos ermos, mas podem ainda se inclinar para sentimentos antitrollóides. Este preconceito raramente decai para a violência, mas tensões em ambos os lados criaram uma atmosfera de isolamento e separatismo. Muitos trollóides urbanos se restringem apenas aos distritos predominantemente povoados por dhunianos ou outras raças não humanas. A maioria das grandes cidades possui um ou mais destes bairros preferidos quase que exclusivamente por trollóides, ogruns, gobbers, rhuleses e às vezes um ocasional bogrin, iosano ou nyss.
Aos trollóides cygnaranos patrióticos é dada a oportunidade de servir ao rei e a nação como membros das forças armadas, o que é bem menos comum nos outros reinos. Trollóides são encorajados a se alistar como soldados de trincheira, onde eles quase que garantidos passam as rigorosas triagens por conta de sua resistência natural. Soldados de trincheira trollóides podem carregar equipamento militar ou cavar por horas a fio sem tombar, e continuarão lutando apesar da fadiga e dos ferimentos, fazendo-os soldados valiosos e sem preço. Apesar de seus números sempre tenha sido reduzido, soldados de trincheira trollóides têm se distinguido várias vezes em batalha, alguns até mesmo premiados com a Estrela do Valor – apesar de que até hoje, a nenhum trollóide que tenha ganhado o prêmio tenha sido oferecido a fidalguia e a terra que normalmente vem junto a esta honra.

Khador

Trollóides vivendo dentro das fronteiras de Khador são bem tratados, mesmo que um pouco distante, enquanto alguns veem aqueles vivendo nas áreas selvagens como habitantes de tribo atrasados. Trollóides vivendo nas cidades são tipicamente confiados, conquanto que eles queiram se integrar à sociedade khadorana. Mesmo quando famílias viveram em uma vila ou cidade por gerações, eles raramente são aceitos inteiramente como cidadãos khadoranos. Isso os afeta em uma miríades de formas, particularmente se eles entrarem em conflito com a lei.
Trollóides são bem mais numerosos nas cidades a noroeste, com kiths descendentes da enorme população dos calorosos kriels setentrionais que dominam a vasta Floresta da Cicatriz. Os kossitas habitantes no noroeste de Khador em cidades como Ohk são muito mais confortáveis e amigáveis em relação ao seus vizinhos trollóides do que a maioria dos outros povos khadoranos. Trabalhadores trollóides vivem em números significativos em outras cidades como Porto Vladovar e Rorschik, realizando trabalhos pesados. A predominância de menitas em Khador ocasionalmente gera atritos com os trollóides, particularmente com aqueles que professam abertamente sua fé dhuniana ou procuram erigir locais de adoração proeminentes. Os trollóides em centros urbanos aprenderam a ser discretos para evitar fomentar conflitos com seus vizinhos.
Apesar de sua dureza natural, trollóides não são recrutados em Khador para se juntar às forças da Guarda do Inverno. A boa vontade de Khador em aceitar sua população trollóide não chega tão longe. O Alto Komando considera que treinar e armar os trollóides como um curso de ação imprudente. Ainda assim, alguns trollóides conseguem encontrar trabalho em cargos periféricos, incluindo-se como irregulares ou mercenários. Material precisa ser transportado entre cidades, fortificações construídas, e inúmeras funções de suporte devem ser preenchidas – e trollóides são peritos nestas tarefas.

Ord

A população trollóide de Ord goza de quase tanta liberdade nas cidades e vilas ao sul de Ord quanto em Cygnar. Os trollóides urbanos de Ord as vezes estão entre trabalhadores navais, trocando sua força por moeda nos conveses de navios ancorados nos portos de Ord. Aqueles que escolhem por permanecer podem receber salários respeitáveis como estivadores e chefes trabalhistas nos portos, apesar de que alguns escolhem a vida perigosa de guarda-costas de aluguel.
Existem diferenças significativas nas atitudes em relação aos trollóides das duas maiores etnias de Ord. Trollóides são geralmente bem recebidos e aceitos pelos thurianos que controlam o sul de Ord e o noroeste de Cygnar e possuem um número de afinidades culturais. Thurianos e trollóides compartilham vários passatempos de apostas e esportes, incluindo proezas de força como arremesso de troncos, e uma preferência por festividades e bebidas fortes. No geral, o sul de Ord é mais receptivo a todas as raças dhunianas, mas esta atmosfera não é refletida no norte dominado pelos tordoranos. Tordoranos são mais frios em relação aos trollóides urbanos, a quem esperam que se mantenham com seu próprio tipo e não interfiram com cidadãos órdicos. Muitos castelões tordoranos associam intensamente os trollóides com atividades criminosas ou desonrosas e presumem que eles são mercenários repulsivos ou bandidos, até que se prove o contrário.
Cinco Dedos é o lar da maior população urbana de trollóides em toda Immoren ocidental. Eles prosperam em vários dos bairros mais maltrapilhos da cidade, pouco temendo a doença e a infestação, e há emprego abundante como mercenários ou trabalhadores. Hospice, a ilha mais ao sul, e lar do Burgo Kithgrav, que é inteiramente controlado pela população de trollóides da cidade.

Trolóide1

Trollóides maculados de Cryx

Os trollóides maculados das ilhas Scharde tem pouco em comum com suas contrapartes no continente além de uma crença compartilhada na fidelidade ao kith e ao kriel. Estes trollóides são descendentes dos antigos Molgur, mas a mácula distorceu seus corpos e fez crescer espinhos de osso perversos e chifres curvos. O efeito da corrupção de Toruk é mais forte nas mentes dos kriels selvagens da ilha. Trollóides maculados são açougueiros demoníacos que se regozijam no ato do assassinato e consumo de seus inimigos. Eles saciam seus apetites doentios com suas vítimas ainda vivas, consumindo a carne sangrenta e evocando o poder do sacrifício de sangue para fortalecê-los na batalha.
O mais infame destes trollóides degenerados é o sedento por guerra General Gerlak Slaughterborn, uma criatura depravada que constantemente lidera forças de trollóides maculados em campanhas de carnificina. Slaughterborn serve ao Lorde Lich Terminus, que faz bom uso dos trollóides como tropas de choque horrendas que podem minar a moral até dos mais duros veteranos do continente.
Alguns kriels maculados menores em ilhas isoladas são ignorantes destas campanhas. Estes trollóides são separados do resto de Cryx, oportunisticamente atacando qualquer nau – cryxiana ou não – que aporta em suas costas.

Llael dividido

Apenas alguns poucos milhares de trollóides vivem no que outrora era Llael. As cidades da nação nunca mantiveram grandes populações trollóides, e as circunstâncias correntes fizeram pouco para encorajá-los a permanecer. Muitos dos que viviam em Llael fugiram para o sul com outros refugiados para Cygnar e Ord, enquanto alguns retornaram para os kriels do Bosque dos Vestígios (Glimmerwood). Daqueles que permaneceram dentro das antigas fronteiras de Llael, a maioria habita em kriels isolados além das cidades. Alguns trollóides mercenários oferecem seus serviços aos combalidos guerreiros da resistência de Llael Livre, mas estes são fortemente obscurecidos por seus pares rhúlicos e ogrun.
Em todo Llael dividido, o território da Cruzada do Norte (Northern Crusade) é lar de uma pequena população trollóide. Mesmo antes da chegada dos menitas do Protetorado, Leryn não era um local onde trollóides eram bem-vindos. Muitos dos trollóides vivendo nesta região a deixaram durante a invasão khadorana inicial, rumando norte em direção a Rhul ou reunindo-se aos poucos kriels montanhosos próximos enquanto outros juntaram suas forças aos guerreiros da Resistência ao sul. Enquanto os sacerdotes do Protetorado insistem que é tão tolerantes em relação aos trollóides quanto qualquer um que obedeça a Lei Verdadeira, na prática muitos menitas fervorosos tratam membros desta raça com suspeita e hostilidade mal disfarçada.

Protetorado de Menoth

Existem muito poucos trollóides vivendo dentro das fronteiras do Protetorado de Menoth e quase nenhum em suas cidades. Isto não é por conta de nenhuma perseguição ativa de trollóides no presente por autoridades menitas, mas pelos conflitos históricos das primeiras cruzadas logo após a fundação do Protetorado. Durante estas décadas de consolidação, os trollóides foram agrupados com outros acusados de heresia e expulsos da região e desde então, não tem motivação para voltar. Na teoria, os sacerdotes no poder não possuem escrúpulos com os trollóides desde que eles não pratiquem sua fé abertamente e respeitem as leis do Protetorado. As forças militares do Protetorado ocasionalmente contratam pequenos grupos de trollóides como mercenários, mas ainda quase não há interesse dos trollóides em se assentarem nas vilas e cidades do Protetorado.
Os poucos trollóides encontrados dentro do território do Protetorado vivem espalhados em kriels do deserto vivendo dentro das fronteiras da nação, mas estes não são nem um pouco afiliados com a teocracia. Quando o Protetorado interage com estes trollóides, é quase sempre com hostilidade – estas tribos são tratadas de forma similar aos idrianos não menitas. Pequenas incursões são ocasionalmente empreendidas para expulsar os infiéis em direção aos desertos ermos.

003

002

Copyright © 2013-2014 Privateer Press, Inc. Todas as marcas comerciais neste livro, incluindo Privateer Press®, Reinos de Ferro, Immoren, Fantasia Forjada em Metal, WARMACHINE®, Cygnar, Cryx, Khador, Protetorado de Menoth, Retribuição de Scyrah, HORDAS, Trolloide, Trolloides, Círculo de Orboros, Legião de Everblight, Skorne, gigante-de-guerra, conjurador de guerra, besta de guerra e seus respectivos logotipos, são propriedade de Privateer Press, Inc.

Deixar uma resposta

Translate »
%d bloggers like this: